Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

Tipos de trabalhos científicos

Os tipos de trabalhos científicos se definem como os diversos trabalhos acadêmicos e/ou científicos com os quais o estudante se relaciona em meio à vida acadêmica.

Os tipos de trabalhos científicos estão ligados ao mundo acadêmico
Os tipos de trabalhos científicos estão ligados ao mundo acadêmico

Ao longo de toda sua vida acadêmica, você se depara com uma diversidade de trabalhos – acadêmicos e/ou científicos. Há aqueles realizados durante a graduação, os de finais de curso, também denominados de TCCs (Trabalho de Conclusão de Curso), dissertações e teses.

Pois bem, em face dessa realidade, eis que surgem questionamentos acerca das peculiaridades que regem cada um deles, visto que são elaborados de acordo com uma finalidade específica. Assim, com base nessa premissa, o presente artigo encontra-se norteado por um só objetivo: deixá-lo (a) a par de tais traços que demarcam as modalidades em questão. Nesse sentido, prosseguem algumas elucidações:

* Trabalhos de Graduação – Eles são requisitados durante sua permanência enquanto graduando, tendo em vista as várias disciplinas inerentes à grade curricular de seu curso. Objetiva haver uma maior assimilação do conhecimento no que tange aos conteúdos específicos de uma determinada área científica, uma vez que oportuniza um contato mais aprofundado com as revisões bibliográficas ou literárias sobre um determinado assunto – fato que permite uma maior assimilação do assunto em evidência. Mediante tais pressupostos, afirma-se que quando solicitados, a intenção não necessariamente é de atingir o cunho científico propriamente dito.

* Trabalho de Curso – Também conhecido por TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), resulta numa monografia, a qual permite ao graduando refletir acerca de um tema determinado, sendo que tais reflexões se tornam materializadas por meio de um texto (constituído de técnica e conteúdo), bem como de uma defesa realizada de forma oral, a qual será avaliada por uma banca examinadora à altura de tais verificações.

* Monografia – Quanto a ela, faz-se necessário esclarecer alguns detalhes de cunho relevante. Mesmo que conhecida e aceita até internacionalmente, a monografia é semelhante ao Trabalho de Conclusão de Curso. Dessa forma, como nos explica Medeiros (2003), não existe uma razão para separar em três níveis o que conhecemos por monografia, dissertação e tese, uma vez todos eles configuram trabalhos monográficos – dissertativos por excelência – os quais são determinados por um padrão que compreende, de um modo geral, uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão. O que na verdade precisamos saber é que as distinções demarcadas entre esses trabalhos têm a função de diferenciar o grau do acadêmico, ou seja, graduado (monografia), mestre (dissertação) e doutor (tese).

No intuito de reforçar ainda a ideia em discussão, torna-se relevante nos atermos aos dizeres de D’Onofrio (2000, p. 72):

O prefixo grego monos (de onde derivam palavras como monge, mosteiro, monossílabo, monolítico, etc.) corresponde ao latim solus (solteiro, solitário, solicitude) e significa “um só” e grafhein = “escrever”. Como se pode verificar, etimologicamente, monografia define um trabalho intelectual concentrado em um único assunto.   
Fonte: D’ONOFRIO, Salvatore. Metodologia do trabalho intelectual. São Paulo: Atlas, 2000.

*Dissertação – Destinada aos cursos de pós-graduação stricto sensu, define-se, sobretudo, por uma reflexão acerca de um determinado tema ou problema, a qual se materializa pela exposição de ideias de maneira ordenada e fundamentada. Assim, norteados por tais aspectos, podemos afirmar que a dissertação é fruto de um trabalho de pesquisa o mais complexo possível em relação ao tema escolhido.

Para obter o grau de mestre, segundo Medeiros (2003, p. 249):

[...] além da revisão de literatura, é preciso dominar o conhecimento do método de pesquisa e informar a metodologia utilizada na pesquisa. [...] Embora não haja preocupação em apresentar novidades quanto às descobertas, o pesquisador expõe novas formas de ver uma realidade já conhecida.   
Fonte: MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

* Tese – De forma semelhante à dissertação, endereçada ao mestrado nos cursos stricto sensu, a tese define-se pelo trabalho de conclusão referente aos cursos de doutorado. Sua principal característica reside no fato de que constitui um avanço significativo na área do conhecimento em estudo, visto que para o acadêmico obter o grau de doutor é preciso que ele, na defesa de sua tese, apresente originalidade, rigor na argumentação, bem como valide suas afirmações por meio de provas concretas, tendo em vista a necessidade de suas descobertas trazerem uma contribuição rumo ao conhecimento da área em estudo.

Assim, de acordo com a NBR 14724 (2005, p.3), tese é:

Documento que apresenta o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa à obtenção do título e doutor, ou similar.
Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS.NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de janeiro, 2003.

Por Vânia Maria do Nascimento Duarte


Exercícios relacionados

  • sbado | 09/08/2014 | Francilene


    Muito boa essas e explicações

  • quinta-feira | 01/05/2014 | Francisco filho


    É muito relevante essas informações sobre trabalhos académicos.



Brasil Escola nas Redes Sociais