Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

Primeira infância, período pré-operatório

Primeira infância, período pré-operatório, prova de inclusão de classes, descrição da aplicação, identificação das provas, descrição dascrianças.

INTRODUÇÃO;

Segundo a teoria piagetiana, quando a criança não tem noção de conservação, isto é, quando ela não acredita que pode haver diferentes configurações para um mesmo objeto, ela está passando pelo período pré-operatório ou primeira infância, que ocorre dos 2 (dois) aos 7 (sete) anos. Este período se caracteriza pelo egocentrismo, centralismo e irreversibilidade, ou seja, ao sente necessidade de justificar seu raciocínio, além de sentir dificuldade de sair do seu ponto de vista pra assumir o do outro, ou ainda, ter sua atenção voltada somente ao aspecto ou configuração do objeto, não vendo a possibilidade de transformá-lo.

Suas principais características são: animismo; tendência de a criança dar vida a seres não vivos. Antropomorfismo; tendência de a criança atribuir formas humanas a seres não humanos. E artificialismo; todas as coisas foram construídas pelo homem ou alguma entidade divina, para o homem.

Essas características são resultados de pesquisa de observação, confirmado por inúmeros estudiosos, onde foram realizados acompanhamentos. As mesmas crianças e por intervalos repetidos.

DESCRIÇÕES DAS CRIANÇAS;

V-5 anos e 8 meses.

A-4 anos e 9 meses.

Y-3 anos e 11 meses.

IDENTIFICAÇÃO DAS PROVAS;

  • Conservação de massas ( massa de modelar)
  • Inclusão de classes ( cartolina colorida)
  • Conservação de comprimento ( canudos coloridos)

DESCRIÇÃO DA APLICAÇÃO;

Massinha:

Ao pegarmos duas massinhas de modelar e transformá-lá em bolinhas do mesmo tamanho (A e B), ao questionar-mos qual tem mais massa. A criança diz que é a massinha A, pegamos a massinha B e dividimos em varias outras massinhas, e novamente perguntamos, a criança ao ver a massinha B dividida em várias bolinhas, logo diz que a massinha B agora tem mais massa.

 lém de bolinhas transformamos em salsichas, e para todos os aspectos físicos do objeto foi que resultou sua resposta.

Portanto concluímos que, para este teste as crianças satisfazem a teoria de Piaget, seguindo sua classificação de não-conversão.

Prova de Conservação de Massa;

Criança A, V, e Y- 1º - Não conservação: a criança não tem noção de conservação de massa quando admite que a quantidade de massa se altere quando a bolinha é transformada.

Canudos:

Para realizar está prova tivemos com apoio o uso de canudos coloridos. Deixamos para cada cor um canudo inteiro e outro cortado para que pudéssemos mudar suas características.

Perguntamos qual estrada é mais longa, as crianças em geral responderam que a que estava reta era maior, as outras eram menor por que estava em forma de ziguezague, pelo das extremidades estarem diferentes.

As duas crianças mais velhas mantiveram suas respostas independentes do formato em que deixássemos os canudos, no entanto a criança mais nova ao deixarmos em formato de “casa” disse que era maior, por que era mais alta.

Sempre ao terminarmos, mostrava-mos a equivalência dos canudos, e mesmo assim as crianças mantiveram suas respostas.

Prova de Conservação de Comprimento;

Criança A e V- 1º - Não conservação: a criança julga os comprimentos conforme o critério da coincidência das extremidades. Dessa forma, após a mudança de configuração de uma das fileiras passa a negar que ambas tenham o mesmo comprimento.

Criança Y-2º - Condutas intermediárias: a criança ora diz que a fileira têm o mesmo comprimento, ora diz que não tem.

Fichas coloridas (cartolina):

Fizemos muitas perguntas para realizar está prova como cores e quantidades.

Pedimos para que separassem por cor e contassem, as três crianças realizaram corretamente. Demos vários formatos, alinhamentos, espalhamos muitas vezes eles responderam conforme a quantidade de ficha e não seu formato sobre a mesa.

Com exceção da criança A, que ao questionarmos sobre a quantidade de fichas ou fichas amarelas, respondeu fichas. As crianças V e Y permaneceram sobre a quantidade de fichas amarelas, que tinha em quantidade maior sobre a mesa.

Percebemos na resposta da criança A, uma variação, mas não em comportamento e sim na atenção, que dava as nossas perguntas, isto é, sua resposta sempre se baseava na ultima palavra em que falássemos fazendo as perguntas.

Prova de Inclusão de Classes;

Criança V e Y- 1º- Ausência de quantificação inclusiva: a criança mostra-se incapaz de comparar o número de elementos de uma subclasse ao de uma classe mais em geral na qual ela está inclusa; ela faz sistematicamente a comparação das duas subclasses, respondendo então que há mais quadrados amarelos (ou vermelhos dependendo da questão) do que quadrados.

Criança A – 2º - Condutas Intermediárias: a criança hesita diante da questão que lhe é feita e, ora responde que tem mais fichas amarelas (ou vermelhas), ora respondendo que tem mais fichas.

CONCLUSÃO;

Concluímos, portanto que as crianças assimilam idéias a partir de um ponto de partida.

Para Piaget, assimilação significa as incorporações de novos elementos às estruturas psicológicas já existentes e acomodação a transformação das estruturas elementos do meio. Após toda uma construção a criança dá rumo a sucessivas equilibrações.

A construção é a essência do conhecimento que ocorre na busca de soluções do problema vivenciado pela criança. Na construção está o espaço e o movimento criativo, que vai além do simples ato operatório do sujeito.

feita e , ora responde que tem mais quadrados amarelos ( ou vermelhos), ora rspondendo que tm mais quadrado.

Por ariana cristina cavalcanti




Brasil Escola nas Redes Sociais