Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

A organização dos espaços na educação infantil

A organização dos espaços na Educação Infantil, concepções de desenvolvimento e sua influência na organização dos ambientes, elementos contextuais da educação infantil, sala de aula para a educação infantil.

O nosso objetivo é reconhecer como a organização do espaço físico influencia os comportamentos das pessoas e como o educador pode organizar ambientes em função do que pretende atingir.

CONCEPÇÕES DE DESENVOLVIMENTO E SUA INFLUÊNCIA NA ORGANIZAÇÃO DOS AMBIENTES

Foram observadas creches que atendiam crianças de famílias de baixa renda, cujas instituições apresentavam as seguintes características:

· Havia um adulto para cada 15 crianças de até 3 anos;

· As atendentes tinham baixo nível educacional e péssimas condições de trabalho;

· As instalações físicas eram precárias;

· Dava-se ênfase ao atendimento das necessidades físicas das crianças, sem preocupação com as afetivas, sociais e cognitivas;

· O atendimento era centralizado na atendente, o que exigia dessa profissional um ritmo acelerado de trabalho;

· Eram longos os momentos de espera para a criança, com poucas oportunidades para ocorrer interação adulto/criança e nenhuma preocupação com o relacionamento entre crianças;

· Os ambientes, em geral, eram pouco mobiliados, quase sem equipamentos e enfeites, e eram raros os objetos disponíveis para as crianças.

Baseadas nestas características podem dizer que o entendimento deles é:

· Que a criança precisa espaço amplo, aberto e vazio, havendo uma valorização das atividades físicas;

· Que a criança pequena é incapaz de envolver-se e manter-se em determinadas atividades;

· Que o modelo educacional a ser seguido deve ser aquele que é centralizado no adulto. O modelo escolar tradicional, em que o professor é o centro da sala de aula.

Podemos agora afirmar qual concepção, seja a mais adequada para a creche como um espaço de educação:

· A creche é um contexto de socialização de crianças pequenas;

· Na maior parte do tempo, a criança pode e deve escolher as atividades que ele deseja realizar;

 

· Um adulto pode cuidar simultaneamente de várias crianças, sendo que os parceiros mais disponíveis para a interação são as outras crianças, geralmente seus coetâneos, isto é, as que têm a mesma idade.

Lina Iglésias Forneiro afirma os aspectos que condicionam a tomada de decisões dos professores na organização do espaço.

· Elementos contextuais -> o ambiente, a escola e a sala de aula.

· Elementos pessoais -> as crianças e os professores.

Elementos Contextuais

Ambiente

· Pode ser definido de acordo com as condições climáticas.

· Há também os recursos do ambiente, que podem ser espaços naturais ou construídos.

Escola

· Condições arquitetônicas - três aspectos são especialmente relevantes.

- Maior ou menor antiguidade do edifício.

- A concepção de escola em seu conjunto.

- A localização da sala de aula.

· Espaços de uso comum.

- Para determinadas atividades – EX: sala para realizar atividades de psicomotricidade, sala de artes plásticas, sala de projeções audiovisuais, ginásio etc.

- Salão – para jogos coletivos.

- Espaços externos – devemos considerar se é revestido de terra, ou se é calçado, se tem grama, árvores etc.; se tem equipamentos como balanços, tobogãs, estruturas para subir, cabanas, pistas para andar de triciclo e carrinhos, labirintos etc.

- Banheiro – precisa ser cuidadosamente planejado, levando-se em conta os aspectos de higiene.

- Cozinha, lactário e despensa.

- Lavanderia e área de serviço.

- Recepção ou entrada.

- Administração.

- Sala de reunião.

- Vestiário e sanitário dos funcionários – é preciso existir um espaço para a troca de roupas e os funcionários não devem usar os sanitários infantis.

Sala de aula

· Elementos estruturais – é o espaço fixo, tais como:

o Dimensão da sala de aula – deve-se seguir os padrões determinados em lei.

o Existência apenas da sala de aula ou de algum outro espaço anexo.

o Posição das janelas – devem permitir às crianças verem o que ocorre fora da sala de aula.

o Existência ou não de pontos de água e a sua localização.

o Presença de armários embutidos ou de estantes fixas.

o Tipo de piso.

· Mobiliário – pode variar em dois aspectos:

o Quantidade.

o Tipo – levar em consideração os seguintes aspectos: leveza, polivalência e funcionalidade.

· Decoração – a sala de aula pode estar decorada de tal modo que eduque a sensibilidade estética infantil.

· Materiais – podem variar em dois aspectos:

o Quantidade – conceito relativo. A carência de materiais é tão negativa quanto o seu excesso.

· Tipo – destacam-se três aspectos fundamentais apresentados abaixo.

o Variedade.

o Segurança.

o Organização.

Elementos pessoais

Crianças – é importante considerar, com relação às crianças, os seguintes itens.

· Idade.

· Necessidades que apresentam.

· Características do ambiente do qual procedem.

Professores – o modelo educativo que os professores irão adotar vai ser percebido por meio da sua prática pedagógica.

· Valores e ideologia.

· Experiência profissional anterior.

· Criatividade. Aspectos pessoais.

Critérios para uma adequada organização dos espaços da sala de aula

Estruturação por áreas – são chamados por diferentes nomes: cantos didáticos, laboratórios, centros de interesse, atelier, oficinas, cantinhos e outros mais. Trata-se, na verdade, de espaços de vivências e de aprendizagem que podem ser utilizados por crianças da mesma idade ou de idades diferentes. Como vão ser estruturadas essas áreas e quais as atividades que serão oferecidas vão depender da programação de cada professor e da sua proposta educativa. As áreas de trabalho podem estar bem delimitadas. Isso vai favorecer o desenvolvimento da autonomia das crianças. Há dois tipos de delimitação: a forte e a fraca.É interessante haver na sala de aula alguma área indefinida da qual as crianças possam “apropriar-se” de um modo criativo em algum momento.

Transformação ou conversibilidade.

Favorecimento da autonomia das crianças.

Segurança.

Diversidade.

A polivalência – as diferentes áreas podem oferecer várias possibilidades de utilização nos mais diversos momentos do dia.

Sensibilidade estética.

Pluralidade - ter na sala de aula elementos que mostrem as diversidades pessoal, étnica, social e cultural.

Funções da organização do ambiente – o espaço é um componente curricular, ou seja, existem elementos do espaço físico da sala de aula que se constituem em determinados ambientes de aprendizagem.

Estudos sobre arranjo espacial

· Semi-aberto – são zonas que permitem à criança ver todos os espaços ao seu redor, inclusive os adultos e as outras crianças.

· Aberto – é comum haver um espaço central vazio.

· Fechado – quando há barreiras físicas.

Uma experiência: creche em Reggio Emilia

O projeto da creche Arcobaleno foi elaborado em 1975 e realizado em 1976. Os critérios que nortearam a elaboração do projeto arquitetônico, como deve-se esperar, procuraram seguir os objetivos e as linhas programáticas da proposta educacional. Observou-se a interação e a participação entre adultos e crianças e, também, a necessidade de conciliar as exigências de livre exploração das crianças com as exigências de segurança e de individualização. Contudo, procura-se atender não apenas as necessidades das crianças, mas também as dos adultos, freqüentemente negligenciados nas creches tradicionais. É interessante perceber que nas salas específicas para cada turma, houve uma preocupação em definir espaços voltados para as crianças que desejarem ficar sozinhas em alguns momentos.

Por Renata Gonçalves




Brasil Escola nas Redes Sociais