Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

A Importância da dança no processo Ensino Aprendizagem

A dança aprimorando as habilidades básicas, dos padrões fundamentais do movimento.

RESUMO

A dança enquanto um processo educacional, não se resume simplesmente em aquisição de habilidades, mas sim, poderá contribui para o aprimoramento das habilidades básicas, dos padrões fundamentais do movimento, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo. O uso da dança como prática pedagógica favorece a criatividade, além de favorecer no processo de construção de conhecimento.

Este trabalho tem como objetivo refletir a importância da dança na escola, como instrumento de socialização, para a formação de cidadãos críticos, participativos e responsáveis. A dança, sendo uma experiência corporal, possibilitará aos alunos novas formas de expressão e comunicação, levando-os à descoberta da sua linguagem corporal, que contribuirá para o processo ensino aprendizagem.

Palavras chaves: Dança, habilidade, socialização e processo ensino aprendizagem.

Abstract:

The dance as an educational process, not just simply in acquiring skills, but may be contributing to the improvement of basic skills, fundamental movement patterns in the development of human potential and its relationship with the world. The use of dance as a pedagogical practice, fosters creativity, and encourage the process of knowledge construction. This work aims to reflect the importance of dance in the school as an instrument of socialization, for the formation of critical citizens, participatory and accountable. The dance is a bodily experience; enable students to new forms of expression and communication, leading them to the discovery of his body language, which will contribute to the learning process. Keywords: Dance, ability, socialization and learning process.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 9
I. O AVANÇO DA DANÇA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM, DIANTE DO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO 12

I. I – História da Dança

12

I. II - Histórico da educação no país

16

I. III - O desenvolvimento do processo ensino aprendizagem

19
II. A DANÇA NO ESPAÇO ESCOLAR: SEU HISTÓRICO E SUA PARTICIPAÇÃO PEDAGÓGICA 23

II. I – Dança no espaço escolar

23

II. II - Visão dos professores e gestores com relação a influência /resultado da dança no processo ensino aprendizagem

28
III. DANÇA: CONTRIBUIÇÕES E DIFICULDADES 31

III. I – Contribuições da dança no processo ensino aprendizagem

31

III. II – As dificuldades enfrentadas pelo ensino da dança no processo de educação

36
CONSIDERAÇOES FINAIS 41
REFERÊNCIAS 42

 

INTRODUÇÃO

A presente monografia é parte de reflexões sobre a dança nos espaços escolares como componente lúdico capaz de oferecer aos alunos um importante instrumento pedagógico para o desenvolvimento corporal, além de contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem.

Pode-se dizer então, que a dança enquanto um processo educacional, não se resume simplesmente em aquisição de habilidades, mas sim, poderá estar contribuindo para o aprimoramento das habilidades básicas, dos padrões fundamentais do movimento, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo. Além de favorecer no processo de construção de conhecimento.

A monografia partiu das seguintes problemáticas: Será que a dança tem sido vista como uma importante prática pedagógica ou um lazer? Por que será que a dança raramente faz parte de nosso sistema escolar? Até que ponto a dança pode contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem?

Essa monografia justifica-se pela necessidade de conscientizar que a dança como componente curricular não pretende formar bailarinos, antes disso, pretende oferecer ao aluno uma relação mais efetiva e intimista com a possibilidade de aprender e expressar-se criativamente através do movimento.

Além do mais, a Dança na escola não é a arte do espetáculo, é educação através da arte. A dança tem suma importância para alcançar os objetivos da Educação, um deles sendo o desenvolvimento dos aspectos afetivo e social, portanto esta prática propicia ao aluno grandes mudanças internas e externas, no que se refere ao seu comportamento, na forma de se expressar e pensar.

Foram utilizadas como hipóteses para a fundamentação dessa pesquisa: que a dança como prática pedagógica implicará em um trabalho de qualidade e facilitará o processo ensino aprendizagem, porém sem um planejamento, resultará em um trabalho sem compromisso, que prioriza a execução de movimentos corretos e perfeitos gerando assim a competitividade entre os alunos.

Os objetivos dessa monografia foram investigar, sob forma bibliográfica, de que forma a dança como prática educativa pode contribuir com o processo ensino aprendizagem. A fim de levar os educadores a refletirem sobre suas práticas pedagógicas, contribuindo de maneira significativa para a entrada definitiva da dança no currículo das escolas brasileiras. Conscientizar sobre a importância da dança no espaço escolar. Incentivar a reflexão de novas idéias e discussões sobre a educação pela dança.

Trata-se de uma pesquisa descritiva, qualitativa, inserida na metodologia de pesquisa bibliográfica, onde foram analisados dados, selecionando apenas os resultados que expressam significados sobre o tema cuidado, obtidos pela análise temática de conteúdo. Assentada nos pressupostos de Érica Verderi e Paulina Ossona e outros estudiosos do tema em ação, que propõem a dança na escola como um recurso metodológico para o trabalho do professor.

Tais estudiosos acreditam que a dança é tão importante para a criança quanto falar, cantar, brincar. Inclui uma riqueza de movimentos que envolvem corpo, espírito, mente e emoções, que enriquecem a aprendizagem. Os gestos e movimentos expressivos nela existentes favorecem uma ação livre e prazerosa. Por meio de ações que envolvem a dança, o processo de aprendizagem ocorre de forma direta e íntima, pois a criança assimila informações com o corpo, mente e emoções.

Esta monografia foi instituída em três capítulos: O primeiro capítulo relata dobre a o avanço da dança como processo de aprendizagem, diante do histórico da educação. O segundo capítulo discorre sobre a dança no espaço escolar: seu histórico e sua participação pedagógica. Já o terceiro capítulo trata da contribuição da dança e suas dificuldades no processo de educação

I – O AVANÇO DA DANÇA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM, DIANTE DO HISÓTRICO DA EDUCAÇÃO

I.I – História da Dança

A dança, em sentido geral, caracteriza-se pela arte de mover o corpo e assume papel fundamental nos dias de hoje, enquanto forma de expressão torna-se praticamente indispensável para vivermos presentes, críticos e participantes em sociedade.

Fazendo uma analogia histórica, observa-se que todos os povos, desde a Antigüidade, cultivavam formas expressivas como as danças, os jogos e as lutas. De acordo com VERDERI ( 2009): “O homem primitivo dançava por inúmeros significados: caça, colheita, alegria, tristeza,... O homem dançava para tudo que tinha significado, sempre em forma de ritual.”

Isso nos faz perceber que a dança é realmente uma das artes mais antiga que o homem experimentou. E que ao longo dos anos evoluiu em conceitos, nos fatos sociais e culturais, relevando a relação do homem com o mundo e seus diferentes meios de vida.

Percebemos também que, o movimento dançado foi a primeira forma de expressão emotiva, manifestação dos temores e sentimetos. Logo passou a ser uma cerimonia, espetáculos, celebração, e por fim uma forma de divertimento e aprendizagem.

Podemos observar que a dança foi uma forma de expressão de varios acontecimentos que marcaram época na humanidade, a partir dela o homem pode demonstrar papéis sociais e desempenhar relações dentro de uma sociedade.

Ao longo da história a dança foi associada também ao universo pedagógico, pois além de uma forma de diversão e espetáculo é, de acordo com FERRARI(2003)," educação". Na educação, ela está voltada para o desenvolvimento global da criança e do adolescente, favorecendo todo tipo de aprendizado que eles necessitam.

Diante disso, podemos compreender que a dança tem grande valor pedagógico.

Ela possui uma importante ligação com a educação, visto que no universo pedagógico ela auxilia o desenvolvimento do aluno, facilitando sua aprendizagem e resultando na construção do conhecimento. De fato a dança também é um meio de educação, como afirma o autor abaixo.

Nesta perspectiva, PEREIRA (2001) coloca que:

(...)“a dança é um conteúdo fundamental a ser trabalhado na escola: com ela,pode-se levar os alunos a conhecerem a si próprios e/com os outros; a explorarem o mundo da emoção e da imaginação; a criarem; a explorarem novos sentidos, movimentos livres (...). Verifica-se assim, as infinitas possibilidades de trabalho do/ para o aluno com sua corporeidade por meio dessa atividade”.

Tal afirmativa nos faz compreender que trabalhar com a dança dentro de uma visão pedagógica vai muito além do que ensinar gestos e técnicas aos alunos. Na verdade trabalhar com a dança permite ensinar, da maneira mais divertida, todo o potencial de expressão do corpo humano. É um ótimo recurso pedagógico para desenvolver uma linguagem diferente da fala e da escrita, e até mesmo aumentar a socialização da turma.

A dança com o passar do tempo foi ganhando cada vez mais espaço na área educacional até chegar aos dias de hoje, porém não é a proposta desta pesquisa relatar toda essa trajetória, mas apenas um breve posicionamento de sua evolução, com finalidade de informação.

Segundo OSSONA (1988), nas antigas culturas a dança teve um caráter de espetáculo, manifestações populares, e na Idade Média passou a ser uma forma de entretenimento das classes altas e as do povo. Segundo a autora, a dança desde a pré-história é uma forma de manifestação, uma “expressão corporal”, que com o passar do tempo, sofreu diversa influências e foi ganhando espaço na educação.

Com isso percebemos que a dança percorreu um longo caminho até obter esse espaço, essa visão de dança como um recurso para a prática pedagógica. Ela sofreu influências tecnológicas, foi também muito influenciada pelas novas condições sociais fazendo surgir novas propostas de arte enquanto forma de educação.

Podemos perceber tais influências no fato de terem surgidos novos recursos musicais e instrumentais, e o fato da sociedade, hoje, ter mais acesso a cultura, o que antigamente era restrito as classes sócias altas.

Tais propostas são até hoje refletidas e discutidas, visto que muitas pessoas ainda vêem a dança como apenas uma forma de diversão, como a autora ressalta acima, “um espetáculo”, com isso esquecem o seu papel pedagógico, suas diversas contribuições enquanto educação.

Durante uma ocasião a dança foi relacionada à Educação Física, chegando a ser incluída na formação desses professores. Esta disciplina tornou-se importante ao longo da época, que em seguida passou a fazer parte dos currículos das licenciaturas de Educação Física em abrangência nacional. O novo currículo confirmou a necessidade do profissional em Educação Física desenvolver competências em termos de dança em suas diferentes manifestações. Também surgem destaques de que o método Dança- Educação Física vinha sendo fortalecido como proposta teórica voltada para a integração do indivíduo como um todo. (www.musica.ahistoria.com.br)

Ainda hoje, encontramos em muitas escolas a dança relacionada com a Educação Física, muitas instituições ainda restringem o uso dessa arte como um recurso pedagógico a ser utilizado em sala de aula, e a oferecem apenas nas aulas de Educação Física, ou ainda como uma atividade extracurricular da escola.

Em 1996, a nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) do Brasil instituído o ensino obrigatório de Arte em território nacional “o ensino da arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos” ( LDB 9394/96 Art. 26 - § 2º)

Tal proposta, como ressaltada na lei, visava o desenvolvimento cultural do aluno a fim de que o mesmo despertasse o interesse pela arte e, automaticamente, a consciência corporal. Porém, ainda encontramos escolas que não possuem a disciplina, pelo fato de não terem professor ou por diversos outros motivos, com isso nossos alunos continuam com uma visão cultural muito restrita.

Finalmente, em 1997, foram publicados os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) que incluem, pela primeira vez na história do país, a dança em seu rol de disciplinas. Ainda de acordo com PCNs, os principais objetivos da dança seriam “valorizar diversas escolhas de interpretação e criação, em sala de aula e na sociedade, situar e compreender as relações entre corpo, dança e sociedade e buscar informações sobre dança em livros e revistas e ou em conversas com profissionais” (BRASIL, 1997).

A inclusão da dança nos PCNs visava encarar o ensino da dança como uma atividade educativa, recreativa e criativa, e também propiciar situações para a construção do conhecimento, independente de se estar brincando, pulando ou dançando. Teoricamente a proposta de inclusão da dança nos PCNs é bastante significante para a nossa atual visão de educação, porém é preciso ser reavaliada a prática dessa proposta, pois o que temos não é um recurso para o aprendizado, mas uma forma de descanso, de diversão e, até mesmo um recurso na falta de conteúdo programático.

Nessa perspectiva, hoje a dança é compreendida por muitos por seu valor em si, muito mais do que um passatempo, um divertimento ou um enfeite. A dança é tão importante quanto falar, cantar, brincar, inclui uma riqueza de movimentos que envolvem corpo, espírito, mente e emoções, que enriquece a aprendizagem.

I. II – Histórico da educação no país

A história da educação no Brasil tem início 1549 com os padres jesuítas, eles fundam diversas escolas, uma rede de colégios reconhecidos por sua qualidade, chegando a oferecer estudos paralelos ao nível superior. LIMA (1969)

O relato do autor nos faz refletir que os padres jesuítas tiveram uma grande importância para a história da nossa educação, visto que os mesmos ofereceram diversas contribuições enquanto educadores. Além do mais, como o próprio autor ressalta, foi através dos mesmos que surgiram as primeiras escolas, as primeiras concepções de educação no país.

Em 1808, com a chegada da família Real no Brasil surgem instituições culturais e científicas de ensino técnico e os primeiros cursos superiores. Porém, somente após a independência do Brasil, em 1822, é que ocorreram algumas mudanças sociais, políticas e econômicas, até mesmo em termos de política educacional. LIMA (1969)

É de conhecimento geral que, a independência do Brasil, foi de suma importância para o nosso país em termos de progressão, e não poderia ser diferente no setor educacional, surgem políticas educacionais importantes, com propostas realmente legitimas. Mesmo que, até os dias atuais, muitas dessas propostas e ideologias ainda estejam na teoria, outras já foram esquecidas com o passar do tempo.

Com a Constituição de 1824, surge o acordo que afirma que a educação primária e gratuita para todos, que assegurava em seu Art. 1o que “em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos, haverão as escolas de primeiras letras que forem necessárias”. (www.pedagogiaemfoco.pro.br)

Realmente, encontramos hoje, inúmeras escolas distribuídas por todos os lugares, porém falta estrutura física e pedagógica, essas escolas existem, mas muitas delas sem apoio político, social e econômico, faltam professores, merenda, material didático, além de possuírem uma péssima estrutura física. Além do mais, são salas de aulas com mais de 40 alunos, quando na verdade deveriam ter apenas 25, infelizmente essa é a triste realidade de nossas escolas.

Com a descentralização da educação básica, instituída em 1834, é autorizado as províncias o direito de legislar sobre a educação primária, em conseqüência disso se ampliou ainda mais as diferenças sociais e econômicas entre as elites do País e as camadas sociais populares. PILLETTI (1996)

Tais diferenças sociais são perceptíveis até os dias atuais, no qual ainda persiste uma desigualdade social bastante relevante, onde a denominada Elite prevalece, em termos sociais e econômicos, sobre as camadas sociais mais populares. A educação, ainda sofre as consequências do jogo de poder, por estar de fato abrangida na política.

Durante a década 20, o Brasil começou a rever e reconstruir diversos dos seus setores, o setor educacional sofreu inúmeras reformas no ensino. Com isso, surgiu a primeira grande geração de educadores, como Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho, Almeida Júnior, entre outros. Esses educadores tinham idéias de “educação para todos” e “educação gratuita” dando início à democratização do ensino. Eles ainda publicaram o Manifesto dos Pioneiros, documento que defendia a igualdade da educação, visto que eles eram contra ao caráter discriminatório e antidemocrático que existia na época, onde destinava a escola profissional para os pobres e o ensino acadêmico para a denominada elite. ARANHA (2006)

Atualmente, a luta desses educadores ainda é defendida por muito professores, visto que as idéias desses educadores, “educação para todos” e “educação gratuita”, continuam a existir somente no documento. Logo, continuamos a viver à mercê desse caráter discriminatório e antidemocrático, no qual a “educação”, no sentido global, é na verdade para uma minoria de privilegiados, e os menos favorecidos continuam a receber uma educação que favorece a subordinação.

Em 1934 ocorreram avanços expressivos na área educacional. De 1945 até 1964, a educação brasileira passou por transformações significativas, destacando-se campanhas e movimentos de alfabetização de adultos, além da expansão do ensino primário e superior. E também a consolidação do projeto da primeira LDB, que foi aprovada em 1961, lei nº 4.024. No período de 1969 e 1971, foram sancionadas respectivamente a Lei 5.540/68 e 5.692/71, incluindo mudanças significativas na estrutura de ensino. Em 1988 é promulgada uma Constituição que destaca a universalização do ensino fundamental e o fim do analfabetismo, como conseqüência disso a LDB 4024/61 cai em desuso. (ARANHA, 2006)

Com isso percebemos que apesar do projeto da lei nº4024/61 ser avançado, com propostas bastantes relevantes, na época da apresentação, ele se tornou antigo no decorrer dos debates, discussões e do confronto de interesses. Com o passar do tempo, as propostas se encontraram ultrapassadas, os interesses e os objetivos já não deveriam ser os mesmos.

Somente em 1996 surgi a atual LDB 9394/96, que foi sancionada em 20 de dezembro de 1996. Baseada no princípio de “educação para todos”, a LDB de 1996 trouxe mudanças significativas para a educação, como a inclusão da educação infantil (creches e pré-escolas) como primeira etapa da educação básica:

“a educação infantil, primeira etapa da educação básica,
tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança
até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico,
intelectual e social, complementando a ação da família e
da comunidade. ( LDB 9394/96 Art. 29).

Atualmente, muitas mudanças ocorreram na educação, porém a mesma continua a ter características de exclusão social, visto que ainda há uma enorme diferença

social, onde a classe dominante recebe uma educação para a formação do cidadão num todo e a classe menos favorecida uma educação para manter a situação de subordinação.

Vivemos numa sociedade marcada pela história educacional de dominação, onde prevalecem as idéias da classe dominante, onde a “igualdade de educação para todos” só existe teoricamente.

No entender de SAVIANI (2003), a sociedade esteve condenada por diversos séculos a idéia de que o ensino era apenas para alguns, e por isso os demais não precisariam aprender, o mesmo ressalta tal afirmativa ao declarar que “a sociedade como sendo essencialmente marcada pela divisão entre grupos ou classes antagônicas que se relacionam à base da força, a qual se manifesta fundamentalmente nas condições de produção da vida material”.

Diante da visão do autor, aqui cabe, mais uma vez, ressaltar que, em todas as épocas a educação foi seletiva, não democrática, um privilégio de poucos. Constatamos ainda hoje, que sempre a parte mais pobre da sociedade é excluída da escola, do direito à educação. Educação no sentido, de formação integral do sujeito, enquanto cidadão crítico e reflexivo.

Desta forma, conclui-se que desde o inicio sofremos da falta de estrutura e investimento na área educacional. Reservada a uma elite dominante e totalmente exploradora, a história da educação caminhou por veredas tortuosas, estando sempre voltada a dominação social.

I. III – O DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

Atualmente, não só na área da educação, mas também em outras áreas, pensa-se no indivíduo como um todo e, portanto, amplia-se o conceito de educação, para o conceito do processo de ensino-aprendizagem.

As reflexões sobre o processo ensino-aprendizagem nos permitem levar todos a repensarem a prática educativa. Entender hoje as escolas e observar as salas de aula como uma comunidade culturalmente constituída por meio da participação de diferentes sujeitos, que assumem diferentes papéis no processo ensino-aprendizagem. GARRIDO (2002)

Diante de tantas reflexões, a situação atual da prática educativa das escolas ainda demonstra os alunos com pouca ou nenhuma capacidade de poder crítico-reflexivo, a obrigação dos mesmos em decorar os conteúdos, além da hierarquia entre educador e educando.

VERDERI (2009) declara que:

“o professor deve conscientizar-se de que o momento é de inovar e ousar, que os tempos de cópias já se afastaram juntamente com paradigmas que não se enquadram mais nas novas visões de uma pedagogia preocupada com a formação integral do educando.”

Diante de tal afirmativa, a solução está na reflexão de como os educandos aprendem e como o processo de ensinar pode conduzir à aprendizagem. Considerando que o aluno não foi programado para imitar, que o mesmo só estará satisfeito e realizado se estiver participando ativamente das atividades, podendo explorar sua criatividade e expor seus conhecimentos.

Pensar no processo ensino-aprendizagem de forma a promover a construção de conhecimentos traz a idéia de seres humanos como indivíduos inacabados e passíveis de uma capacidade de refletir criticamente o aprendido.

Nesse processo de construção do conhecimento alunos e professores são sujeitos e devem atuar de forma consciente. Não se trata apenas de sujeitos do processo de aprendizagem, mas de seres humanos inseridos numa cultura e com histórias e experiências particulares de vida.

FREIRE (1997) explica o homem só passou a ensinar quando descobriu que era capaz de aprender. Foi desenvolvendo a capacidade de aprender que ele se descobriu capaz de ensinar. Nessa perspectiva os professores enquanto ensinam aprendem e os alunos enquanto aprendem ensinam.

Todo processo ensino aprendizagem depende do interesse dos sujeitos participantes, alunos, professores, comunidades escolares e demais fatores do processo. Assim, a aprendizagem se dá na coletividade, mas não perde de vista o indivíduo que é singular (contextual, histórico, particular, complexo).

Com isso, é preciso compreender que o processo ensino-aprendizagem se dá na relação entre indivíduos que possuem sua história de vida e estão inseridos em contextos de vida próprios. Nessa perspectiva, o processo ensino-aprendizagem vai ocorrer através da relação entre sujeitos em permanente socialização de experiências e saberes.

Para que o processo ensino aprendizagem ocorra, VYGOTSKY (1991) afirma que é necessário que o professor desafie o nível em que o aluno está, não desrespeitando seus conhecimentos e experiências anteriores, mas tendo um olhar para o futuro, para as capacidades que desenvolverá, possibilitando a socialização das experiências culturais acumuladas historicamente pela humanidade.

Nessa perspectiva, o processo de ensino-aprendizagem possibilita que os sujeitos – professor e alunos – se encontrem, troquem, socializem conhecimentos, experiências, afetos, histórias, sonhos e utopias. O professor sempre mediando com instrumentos pedagógicos e psicológicos. Os alunos respondendo e também sendo mediadores dos que ainda não conseguiram.

Na verdade, alunos e professores vivem numa eterna troca, num processo de interação, onde um aprende com o outro. E nessa troca não existe um único detentor do conhecimento, mas seres inacabados que aprendem e se ensinam mutuamente.

VYGOTSKY (1989) afirma que o auxílio prestado à criança em suas atividades de aprendizagem é válido, pois, aquilo que a criança faz hoje com o auxílio de um adulto ou de outra criança maior, amanhã estará realizando sozinha. Desta forma, o autor enfatiza o valor da interação e das relações sociais no processo de aprendizagem.

Diante disso, ainda é importante ressaltar que, o processo ensino-aprendizagem ocorre a todo o momento e em qualquer lugar. Portanto, o que se questiona neste processo é, qual o papel da escola? Como deve esta ser considerada? E qual o papel do professor?

É papel da escola realizar a mediação entre o conhecimento prévio dos alunos e o sistematizado, propiciando formas de acesso ao conhecimento científico. E como tal, deve ser considerada como um contínuo processo de desenvolvimento influenciando e sendo influenciada pelo ambiente, no qual deve existir um ambiente dinâmico e contínuo, que contribua para o processo de aprendizagem.

A escola é um dos agentes responsáveis pela integração da criança na sociedade, além da família. É um componente capaz de contribuir para o bom desenvolvimento de uma socialização adequada a criança, através de atividades em grupo, de forma que capacite o relacionamento e participação ativa das mesmas, caracterizando em cada criança o sentimento de sentir-se um ser social.

O papel do professor é o de conduzir e orientar os alunos, de modo que cada um deles seja um sujeito consciente, ativo e autônomo. É seu dever favorecer o processo ensino-aprendizagem e refletir o seu papel no todo e isoladamente.

VERDERI (2009) afirma que:

“ o professor é aquele que cria condições para o processamento das atividades e o aluno, aquele que busca, dentro desse contexto, condições para o seu pleno desenvolvimento. Que nessa relação, o professor também possa aperfeiçoar os conhecimentos já trazidos pelos alunos e, a partir daí, explorar novas formas de conhecimento mais complexas”.

Isso nos faz refletir que, há aprendizagem dos dois lados e que para desencadear o processo de aprendizagem dos alunos, o professor precisa possibilitar condições para que os mesmos elaborem, critiquem o conhecimento, e dele se aproprie.

Logo, permanece ao professor o desafio de tornar as práticas educativas mais condizentes com a realidade, mais humanas e, com teorias capazes de abranger o indivíduo como um todo, promovendo o conhecimento e a educação.

Diante dos fatos, entende-se que a aprendizagem é um fenômeno extremamente complexo, envolvendo aspectos cognitivos, emocionais, orgânicos, psicossociais e culturais. E o ensino só tem sentido quando implica na aprendizagem, por isso é necessário conhecer como o professor ensina e entender como o aluno aprende, só assim o processo ensino aprendizagem poderá acontecer e o aluno conseguirá aprender a pensar, a sentir e a agir.

II - A DANÇA NO ESPAÇO ESCOLAR: SEU HISTÓRICO E SUA PARTICIPAÇÃO PEDAGÓGICA

II. I – Dança no espaço escolar

A vida humana na Terra se substantiva através do corpo. É ele que nos faz vivos e concretiza a nossa existência. Da mesma maneira a dança trata do resgate da própria personalidade, do contato com o lado mais humano através da expressão artística: o indivíduo se expressa e se torna capaz através da Arte que produz e que lhe devolve toda a sua potencialidade de viver e de se realizar plenamente. (www.nima.puc-rio.br)

Isso nos faz compreender que através da dança o indivíduo é capaz de demonstrar aquilo que ele pensa, que ele entende, ou seja, ele é capaz de demonstrar o seus conhecimentos e habilidades, de maneira mais transparente possível, ele se expõe por completo.

Historicamente, o homem utilizava-se da dança apenas para expressar sentimentos e agradecimentos. Apesar de esse caráter persistir ainda hoje, outros aspectos foram incorporados a dança, contribuindo para o seu crescimento enquanto arte e educação.

Entretanto esta visão já vem se modificando. De acordo com OSSONA (1988), atualmente existe uma melhor compreensão a respeito dos valores formativos e criativos da dança, que levam a uma ampliação das ações corporais.

Com isso, no Brasil e no mundo, a dança vem ganhando cada vez mais espaço pelos benefícios que vão desde a melhora da autoestima, passando pelo combate ao estresse, depressão, até o desenvolvimento da aprendizagem. A cada dia a dança vem expondo seus aspectos positivos dentro da formação do sujeito, através da educação, e até mesmo contribuindo para a construção da sociedade.

Atualmente, a dança tem se tornado um estilo alternativo nas práticas pedagógicas, por orientar o movimento corporal de cada aluno de forma a explorar sua capacidade de criação, estimulando o autoconhecimento e favorecendo para aprendizagem. Segundo OSSONA (1988) “a dança ainda é uma manifestação de caráter étnico, é quando mais se parece com a “expressão corporal”, que foi ganhando terreno nos esquemas da educação”.

Contudo, a dança ao ser inserida ao conteúdo escolar não pretende formar bailarinos, antes disso, consiste em oferecer ao aluno uma relação mais efetiva e intimista com a possibilidade de aprender e expressar-se criativamente através do movimento. Nessa perspectiva, o papel da dança na educação é o de contribuir com o processo ensino-aprendizagem, de forma a auxiliar o aluno na construção do seu conhecimento. E também, assistir o professor enquanto recurso pedagógico.

VERDERI (2009) declara que:

“a dança na escola deve proporcionar oportunidades para que o aluno desenvolva todos os seus domínios do comportamento humano e, por meio de diversificações e complexidades, o professora contribua para a formação de estruturas corporais mais complexas.”

Essa proposta se resume na busca de uma prática pedagógica mais coerente com a realidade escolar, onde a dança preparará o corpo e a mente dos alunos a fim de que se exercitem de acordo com suas necessidades, estimulando através dos movimentos espontâneos e a precisão do gesto, o processo ensino aprendizagem.

Com isso, percebemos que a dança na escola não é a arte do espetáculo, é educação por meio da arte. E tem suma importância para se alcançar os objetivos da Educação, um deles sendo o desenvolvimento do aspecto afetivo e social. Deste modo, esta prática propicia ao aluno grandes mudanças internas e externas, no que se refere ao seu comportamento, na forma de se expressar e pensar.

Segundo LABAN, (1990) “Quando criamos e nos expressamos por meio da dança, interpretamos seus ritmos e formas, aprendemos a relacionar o mundo interior com exterior”.

Ás vezes, viver em sociedade é muito difícil, pois inclui aceitar o outro, suas opiniões e maneiras, aceitar os “não” que a vida nos proporciona. De fato, aprender a conviver no mundo exterior.

Nessa perspectiva, compreendemos que a dança permite ao individuo não só uma busca de sua personalidade, mas ensina-o a viver em sociedade, a se relacionar com o seu eu e com o próximo, de forma prazerosa e não como uma obrigação.

A criança tem necessidade de andar e saltar: não a podemos condenar a ficar imóvel, porque certamente falharíamos e a prejudicaríamos (...). Porque a criança tem necessidade de agir, criar e trabalhar, isto é, empregar a sua atividade numa tarefa individual ou socialmente útil (...). (FREINET, 1974)

Diante disso, dançar é tão importante para uma criança quanto falar, contar ou aprender geografia. É essencial para a criança que nasce “dançando”, não desaprender essa linguagem pela influência de uma educação repressiva e frustrante. Para isso, a educação deve unificar corpo e mente, ensinando a pensar em termos de movimento para dominá-los, e não apenas se preocupar com o domínio da escrita, do raciocínio lógico-abstrato e da linguagem.

O papel da dança na prática educativa tem o objetivo de resgatar, de forma natural e espontânea, as manifestações expressivas da nossa cultura. A expressão corporal como recurso da aprendizagem escolar, utiliza o corpo em movimento, estimulando a expressão de sentimentos e emoções que auxiliam na integração social.

Para MORANDI (2006), a criança tem o impulso inato de realizar movimentos similares aos da dança, sendo ela uma forma natural de expressão. Cabe à escola levá-la a adquirir consciência dos princípios do movimento, preservando sua espontaneidade e desenvolvendo a expressão criativa.

Nessa perspectiva, é papel da escola realizar a mediação conhecimento e a espontaneidade, ou seja, a escola precisa criar meios de aprendizagem por meio da dança, de maneira que as crianças não tenham atitudes mecânicas, mas de forma natural ensinar os princípios dos seus movimentos, a função do corpo.

Contudo, o uso da dança na sala de aula não deve visar apenas proporcionar a experiências com corpo e diminuir conflitos decorrentes de esforços intelectuais excessivos. Na medida em que favorece a criatividade, pode trazer muitas contribuições ao processo de aprendizagem, se integrada com outras disciplinas.

A dança na escola não deve priorizar a execução de movimentos corretos e perfeitos dentro de um padrão técnico imposto, gerando a competitividade entre os alunos. Deve partir do pressuposto de que o movimento é uma forma de expressão e comunicação do aluno, objetivando torná-lo um cidadão crítico, participativo e responsável, capaz de expressar-se em variadas linguagens, desenvolvendo a auto- expressão e aprendendo a pensar em termos de movimento (MARQUES, 2003).

Desta forma, a escola deve estar sensível aos valores e vivências corporais que o indivíduo traz consigo permitindo desta forma que conteúdos trabalhados, se tornem mais significativos. Visto que, a educação através da dança possibilita a formação de cidadãos com uma visão mais crítica autônoma e participativa desta sociedade em que vivemos.

Precisamos pensar na dança no contexto escolar, tendo como prioridade os processos pedagógicos, compreendendo a importância de uma prática que respeite o corpo e a liberdade de expressão dos alunos.

Deste modo, através da dança, podemos introduzir em nossas salas de aula, momentos de reflexão, pesquisa, comparação, desconstrução das danças que apreciamos (ou não) e, assim, podermos agir crítica e corporalmente em função da compreensão, desconstrução e transformação de nossa sociedade.

Enfim, considerando que a dança deve estimular na criança a criatividade na conquista de sua autonomia, as experiências com o corpo dançante devem fazer parte da prática pedagógica. É importante reafirmar que combinar interesses e desafios corporais num ambiente integrativo entre a criança, emoções, pessoas e o mundo fazem da dança referencial para o aprendizado.

II. II – Visão dos professores e gestores com relação a influencia /resultado da dança no processo ensino aprendizagem

A visão de disciplina na escola sempre foi entendida como “não movimento’’ e as crianças educadas e comportadas são aquelas que simplesmente não se move. Alguns educadores julgam que, para ocorrer a aprendizagem, é preciso que o aluno esteja sempre sentado e quieto.

Com isso, a dança ainda é percebida de forma equivocada por muitos professores e gestores, que costumam apresentá-la somente em datas comemorativas e na forma de apresentações de coreografias prontas.

Promover a educação através da dança escolar não se resume em buscar sua execução “festinhas comemorativas” (VERDERI, 2000); tampouco oferecer a idéia de que “dançar se aprende dançando”. (MARQUES, 2003)

Para estas autoras o estudo e a compreensão da dança, vão muito além do ato de dançar, ou seja, a dança no espaço escolar, não se resume ao ensino de danças ou técnicas de movimentos, mas auxilia na formação do indivíduo, contribuindo com sua construção de conhecimento.

Na concepção de ensino de muitos professores e gestores, a educação por meio da dança é nula, pois o corpo é visto como objeto e a execução dos movimentos está vinculada a uma perfeição técnica e estética. Porém, também encontramos a visão de que o ensino de dança deve unir conhecimento técnico e expressividade.

Para professores e gestores a dança deve trabalhar a sensibilidade, a expressão e suas possibilidades de ampliação e a comunicação corporal, e ao mesmo tempo não se afastar da técnica e de conteúdos formais. Dessa forma, para eles a dança deve ser trabalhada de forma ampla, favorecendo o desabrochar do corpo e automaticamente o processo ensino aprendizagem.

Para FIAMONCINI (2002-2003), é preciso lidar com o ensino de técnicas, sem impedir o aflorar da criatividade e da expressividade, pois o excesso de técnicas pode fazer com que fiquem esquecidos “os pensamentos, as necessidades e os sentimentos das pessoas, o que pode ocasionar-lhes uma falta de sentido para continuar dançando”.

Diante disso, fica claro que o ensino excessivo de técnica faz com que os objetivos essenciais do ensino da dança sejam esquecidos, deixados de lado, e com isso perde-se o interesse, o significado do dançar.

Na verdade, ao longo dos anos, a dança até tem deixado de ser vista apenas como uma manifestação artística e passado a ser percebida como um meio de reflexão crítica. O objetivo central do ensino da dança aos poucos tem se tornado o autoconhecimento e a construção desse conhecimento.

Para MARQUES (2005), nos conteúdos trabalhados em sala de aula a dança tem que estar vinculada com o contexto dos alunos: “o contexto dos alunos é um dos interlocutores para o fazer-pensar a dança, pois garante a relação entre o conhecimento em dança e as relações sócio, político e culturais dos mesmos em sociedade”.

Com isso, percebe-se a importância da relação ensino- realidade, onde os conteúdos ministrados em sala de aula têm relação com a vivencia do aluno. Enfim, é preciso que os conteúdos despertem o interesse dos alunos, visto que nem sempre a dança faz parte de sua realidade cultural. Muitas das vezes, ela é vista pelo aluno de forma preconceituosa.

Para os gestores, o conteúdo centrado na realidade e no contexto dos alunos deve ser transformado pelo professor de forma consciente e problematizadora para que o aluno entenda a dança como um processo individual, coletivo e social no qual todos podem produzir saberes e conhecimentos. (Revista Diálogo Educacional, 2008)

Diante disso, percebemos que o ensino da dança não pode ser meramente lançado pelo professor, o mesmo precisa analisá-lo, refletí-lo criticamente de forma que o professor conscientize o seu aluno da importância desse ensino e os seus benefícios enquanto recurso de aprendizagem.

A dança pode favorecer o aluno na constituição de saberes e conhecimentos, mas ante é preciso que a mesma faça sentido para este aluno, ou do contrário o mesmo a perceberá apenas como uma forma de diversão.

Para os professores, a arte e, mais especificamente, a dança é um conhecimento tão importante quanto qualquer outro conhecimento presente na escola. E, portanto, o objetivo do ensino de dança na escola deveria ser trabalhar com o foco na construção do conhecimento dos alunos por meio do corpo, de maneira que o aluno pudesse vivenciar a dança como arte, sob a perspectiva de que os mesmos não criassem repulsos e expectativas equivocadas. (Revista Diálogo Educacional, 2008)

Nessa perspectiva, para atingir esse objetivo, não existe um método ideal de trabalho. É necessário que o professor observe a realidade corporal dos alunos e trabalhe com as linguagens das crianças, permeando com o conteúdo que ele quer abordar, ou seja, sempre elaborando suas atividades de dança de forma que faça uma relação com as demais disciplinas.

Com isso, se faz perceptível a necessidade da interação entre as disciplinas, que precisam estar interligadas, para que possam favorecer o processo ensino-aprendizagem, do contrário apenas serão conteúdos lançados, de formas isoladas, que não farão sentido algum para os alunos. Conseqüentemente, dificultará todo o processo de aprendizagem.

Segundo VERDERI (2009):

“as atividades e propostas da dança na escola são elaboradas e fundamentadas exclusivamente no movimento e nas possibilidades da variação deste e, também, nas informações concretas que esse movimento poderá oferecer ao aluno quando estivermos falando em educação nas demais disciplinas.”

Podemos perceber que, apesar de a maioria dos professores e gestores ainda manter uma visão do ensino de dança focalizado no ensino de técnicas, já existem novas visões de propostas para o ensino de dança.

Atualmente já conseguimos fazer com que muitos desses professores e gestores possam refletir sobre ensino de dança, tendo como foco principal a visão de que este ensino deve sempre buscar o desenvolvimento da criatividade e expressividade, para que como conseqüência alcance a aprendizagem.

Sendo assim, o aluno deve ser visto como sujeito ativo e participante do processo ensino-aprendizagem. Em vez de apenas depositar conhecimentos, os professores precisam partir da realidade e da linguagem dos próprios alunos para promover o ensino de dança.

III – DANÇA: CONTRIBUIÇÕES E DIFICULDADES

III. I Contribuições da Dança no processo ensino aprendizagem

Cada vez mais a dança vem sendo incluída nos currículos escolares e extra-escolares, visto que a utilização da dança como prática pedagógica pode trazer muitas contribuições ao processo ensino aprendizagem.

Segundo VERDERI (2009) “a dança na escola deverá ter um papel fundamental como atividade pedagógica... e por meio dessas mesmas atividades reforçar a autoestima, a autoimagem, a autoconfiança e o autoconceito”.

Tal afirmativa nos faz compreender que, o papel educacional da dança visa o desenvolvimento físico, emocional e social do aluno. De forma que amplie sua visão na sociedade, tornando-o um indivíduo pensante, capaz de contribuir com essa sociedade.

Como a autora ressalta, a dança é fundamental como recurso pedagógico, visto que ela ajuda a construir no aluno um indivíduo mais confiante, reforçando sua autoestima, fazendo com que ele se sinta proveitoso, capaz. Enfim, a dança auxilia no desenvolvimento da autonomia do aluno.

De acordo com PICONEZ (2003) “os alunos aprendem pela prática”. Portanto, as atividades pedagógicas de dança não podem isolar os alunos em quatro paredes, antes disso deve estimular a criança a descobrir o seu potencial expressivo e criativo.

Diante disso, fica claro que a dança enquanto processo de aprendizagem, possibilita o aluno aprender pelas experiências do próprio corpo, a compreender o ponto de vista do próximo, a desenvolver habilidades e a expressar sua criatividade.

Logo, a dança possibilita que a aprendizagem ocorra de forma prazerosa, através da prática, estimulando a todo instante o aluno. E não na antiga concepção de muitos educadores, citada no segundo capítulo desse estudo, de que a aprendizagem só se constrói com alunos quietos e em silêncio.

Para BERTONI (1992), a dança como fator educacional contribui no desenvolvimento psicológico, social, anatômico, intelectual, criativo e familiar.

Nessa perspectiva, a dança contribui para uma educação motora consciente e global, proporcionando diversos benefícios no que se refere aos aspectos físicos, sociais e intelectuais.

O trabalho com a dança também possibilita a descoberta do próprio corpo, o reconhecimento de que cada indivíduo possui diferentes maneiras de se movimentar, o que resultara na conscientização do aluno com relação ao respeito à individualidade dos seres humanos.

A fala de Bertoni reforça ainda mais a visão de que a dança contribui para o desenvolvimento global do aluno.
Segundo NANNI (1995) a dança contribui para o desenvolvimento das funções intelectuais como: atenção, memorização, raciocínio, curiosidade, observação, criatividade, exploração, entendimento qualitativo de situações e poder de crítica.

Tal afirmativa da autora só nos leva a ressaltar que, a dança em seu caráter educativo pode trazer grandes contribuições para o desenvolvimento da aprendizagem. Enfim, a dança pode contribuir para um bom aprendizado, sem que seja necessário deixar de lado os conteúdos programáticos, a mesma deverá estar voltada para o desenvolvimento da auto-estima, confiança, motivação, elementos estes de suma importância para o processo ensino aprendizagem.

Diante disso, é perceptível a contribuição da dança como recurso pedagógico, visto que auxilia em diversas áreas que são de suma importância para que o aluno construa o seu conhecimento.

FUX (1983) defende que a dança é um instrumento que estimula a espontaneidade e a criatividade.

Nesta questão, é importante salientar que a dança, enquanto prática pedagógica favorece o desenvolvimento do aluno, tornando-o um sujeito capaz de pensar de maneira criativa, de expressar e se comunicar com o mundo que o envolve de forma espontânea. O que também nos faz observar a dança como uma forma natural de comunicação através da expressão corporal.

Isso ainda nos faz refletir que, o trabalho com a dança em sala de aula tem que estar sempre voltado para a aprendizagem e não como uma forma de recreação. Porém, sempre estimulando a liberdade do aluno, do contrário o mesmo ficará reprimido e não alcançará o objetivo da aula.

De acordo com NANNI (1995) o movimento corporal é de vital importância para o desenvolvimento da criança, pois através de suas habilidades motoras ela expande seus conhecimentos.

Isso nos faz perceber que a partir do momento em que o aluno se torna consciente de si e de suas capacidades, o mesmo é capaz de se desenvolver e crescer, interagindo com o seu habitat, vivenciando experiências através do próprio corpo.

A visão da autora nos faz pensar que o corpo possui uma ligação interna, logo a mente está conectada aos movimentos. Portanto, estimular os movimentos resultará na excitação da mente, que automaticamente favorecerá no processo de aprendizagem.

De acordo com FREINET (1991), “infeliz educação a que pretende, pela explicação teórica, fazer crer aos indivíduos que podem ter acesso ao conhecimento pelo conhecimento e não pela experiência. Produziria apenas doentes do corpo e do espírito, falsos intelectuais inadaptados, homens incompletos e impotentes”.

Partindo desse pensamento, o professor deve utilizar a dança como um recurso lúdico, capaz de enriquecer a aprendizagem em diversas disciplinas, estimulando a aprendizagem de forma livre e prazerosa, numa relação corpo e mente.

Estimular a aprendizagem de maneira livre e prazerosa significa estimular de forma que desperte o interesse do aluno, que o mesmo possa participar ativamente da atividade, e não de forma autoritária e repressiva.

De acordo ainda com OSSONA (1988) é necessário encarar o ensino da dança como uma atividade educativa, recreativa e criativa. E ainda, é necessário um plano de ensino e um plano de realização.

Diante disso, observamos que para a dança contribuir no processo ensino aprendizagem, é importante que antes, possamos entendê-la como uma atividade educativa, capaz de auxiliar o desenvolvimento global do aluno. Precisamos usar a dança em nossas atividades pedagógicas, de forma a permitir ao aluno maior vivência corporal possível, contribuindo assim com o seu desenvolvimento.

Para isso, a autora também ressalta a necessidade de se estar preparado. A necessidade do professor ter uma educação continuada e sempre preparar suas aulas com antecedência, enfim, ter o seu plano de ensino, mesmo que no momento de execução do plano possa aparecer algo fora do que se estava planejado. Tais atitudes, segundo a autora, também contribuem para o processo ensino aprendizagem.

OSSONA (1988) ainda ressalta que “nossas crianças são dotadas de enorme potencial psico-fisiológico, e nós somos responsáveis pelo aprimoramento desse potencial”.

Nessa perspectiva, para que isso ocorra, é fundamental que nossas atividades gerem sempre liberdade de expressão e beneficiem o desenvolvimento motor do aluno. Devemos explorá-lo ao máximo, tendo sempre o cuidado para não limitarmos e nem reprimirmos o seu desenvolvimento.

De fato nossos alunos são dotados de diversas habilidades e conhecimentos. Como professores cabe à nós aprimorá-los de forma que os mesmos se desenvolvam e busquem ainda mais conhecimentos.

Ainda é importante ressaltar que a dança, enquanto processo de aprendizagem contribui para a formação de um corpo vivo, que além de ocupar espaço e ter formas, possui expressão, desejos e interage com as coisas da natureza. OSSONA (1988)

Isso nos faz aprender que a dança contribui para a formação de homens e mulheres mais conscientes da própria vida, favorecendo o processo de aprendizagem dessa conscientização e de outras mais pedagógicas.

Nessa perspectiva, a dança é de suma importância na formação do sujeito enquanto cidadão crítico, reflexivo e participativo.

Pode-se dizer então, que a dança enquanto processo educacional, não se resume em colaborar com o ensino de habilidades, mas sim, contribuir para o desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo, favorecendo assim também com o processo de construção de conhecimento.

III. II – As dificuldades enfrentadas pelo ensino da dança no processo de educação

Sabemos que a dança enquanto conteúdo escolar está presente na educação, mas não como uma disciplina à parte, com aula apenas de dança, ministradas por um profissional, cuja formação se dê na Licenciatura de Dança. Mas sim, a dança está inserida nos espaços escolares através das aulas de Educação Física e artes, como um recurso pedagógico, ou até como uma forma de recreação.

STRAZZACAPPA (2001) diz que a dança raramente está presente no ambiente escolar. Nessa perspectiva, podemos perceber que a dança dificilmente é tratada na escola, porque esta área tem encontrado problemas para ensinar tal conteúdo. São inúmeras as mazelas encontradas no espaço educacional.

A dança, geralmente, é encontrada como forma de espetáculo, apresentação, como uma arte. E não como um recurso pedagógico de grande valia para a aprendizagem, o qual auxilia o processo de construção do conhecimento, através da interação entre o corpo e a mente.

STRAZZACAPPA (2001) também constata que a deficiência da dança no ambiente escolar na maioria das vezes se deve ao despreparo do professor para realizar tal tarefa.

Diante disso podemos afirmar que muitos professores utilizam a dança em suas aulas, porém não sabem exatamente o que, como, ou ainda porquê ensinar, utilizar a dança na escola.

Podemos ainda afirmar que a dança vem sendo trabalhada, sem que se tenha uma proposta de trabalho definida, e com isso tem se comprometido o desenvolvimento do processo criativo que poderia estar acontecendo nos espaços escolares.

De acordo com MARQUES (1990) algumas das razões para a dança ser pouco compreendida enquanto área de conhecimento são:

“a ignorância daquilo que pode ser considerado dança, a falta de visão de que a dança não é necessariamente algo academizado, a falta de experiência das pessoas no que diz respeito à dança,uma concepção restrita de educação e, também, a dificuldade de lidar com o corpo durante tantos séculos condenado ao profano e ao pecado”.

Nessa perspectiva, podemos constatar que o ensino da dança tem sido ministrado sem nenhuma preocupação com relação o seu real papel, falta conhecimento das pessoas no que diz respeito a dança, falta uma proposta pedagógica adequada. Enfim a dança é trabalhada de forma desordenada, encontramos assim, muitos problemas dentro do espaço educacional, que automaticamente interferem no processo de educação.

Podemos constatar inúmeros problemas da dança no espaço educacional, dentre os principais encontra-se a falta de preparo e conhecimento dos professores, o preconceito, a dificuldade da participação masculina em atividades dançantes. (www.educacaofisica.com.br/biblioteca)

Diante disso compreendemos que a dança no espaço escolar é até empregada, porém com muitas dificuldades, além de muitas facetas. São inúmeros professores que vêm trabalhando com a dança no espaço escolar sem que tenham basicamente tido experiências prática-teórica de dança. Ou ainda são inúmeras as atividades de dança na escola que têm sido utilizadas apenas como uma forma de recreação e não possuem nenhum cunho pedagógico.

Ainda temos que enfrentar os inúmeros preconceitos com relação a utilização da dança como prática pedagógica, muitos responsáveis reclamam da prática por acreditarem ser exclusivamente feminina. Com isso enfrentamos a falta de participação masculina em atividades rítmicas, eles se sentem envergonhados diante da prática de dança, chegam a questionar se isso afeta sua masculinidade. Logo a participação masculina na dança é nula, ou quando não, é ridicularizada.

A metodologia de ensino inadequada, relacionamento professor-aluno, desinteresse dos educadores, também são problemas enfrentados pela dança no espaço educacional. (www.educacaofisica.com.br/biblioteca)

Nessa perspectiva, podemos observar que o ensino de dança não possui uma metodologia de ensino adequada, visto que, como já relatamos no presente estudo, o ensino da dança é muitas vezes empregado como uma forma de recreação, sem que se tenha uma proposta de aprendizagem.

Logo isso ressalta outro problema, que é a falta de interesse dos educadores, muitos não se interessam em ter uma prática pedagógica que desperte o interesse dos alunos em participar das aulas, além da falta de interesse pela educação continuada, ou seja, estar sempre buscando o novo, aprimorar seus conhecimentos, buscar atividades rítmicas novas.

Podemos ainda relatar o problema da relação professor-aluno, que se não empregada de uma maneira harmoniosa, com interação, interfere diretamente no processo de aprendizagem. O professor precisar ser visto pelo aluno como um mediador do conhecimento e não um detentor autoritário, precisa despertar o interesse do aluno, sua criatividade, para que a aprendizagem ocorra de maneira harmoniosa.

O ensino da dança encontra muita dificuldade devido a ausência de significado sobre o seu real papel no espaço escolar. (www.rc.unesp.br)

Nessa perspectiva, podemos perceber que a omissão do real sentido do ensino da dança no espaço escolar favorece as inúmeras dificuldades enfrentadas por esse ensino. A falta de embasamento teórico, ou seja, objetivo, real proposta desse ensino, permitem que o trabalho com a dança seja realizado de forma desinteressada, de qualquer maneira.

Logo isso, resultará em um trabalho com defasagem, que automaticamente irá prejudicar o processo de aprendizagem. É preciso que haja uma reflexão sobre quais os propósitos, finalidades e objetivos do ensino da dança no espaço educacional.

Uma questão importante a ser ressaltada é a formação dos professores que atuam na área de dança, visto que é sem dúvida um ponto crítico no ensino desta arte no espaço educacional. (www.rc.unesp.br)

Diante da ressalva, podemos refletir que muitos professores não possuem nenhuma formação específica nesta arte, a dança no espaço escolar tem sido trabalhada por professores com formação apenas em magistério, pedagogia, ou ainda por professores de Educação Física. Logo os mesmos não possuem conhecimentos técnicos com relação a arte, isso favorece para que a dança seja trabalhada como uma forma de recreação ou esporte.

Diante disso, a solução seria que os professores se conscientizassem e refletissem sobre a necessidade de uma educação continuada, a necessidade de buscar embasamento teórico e meios práticos de como trabalhar com a dança dentro do espaço pedagógico, de forma que auxiliem na aprendizagem do seu aluno.

Portanto, a dança está presente de alguma forma nas salas de aula. Precisamos realmente, trabalhar com a dança de forma pedagógica e não utilizá-la como uma forma de diversão, entretenimento. Diante disso devemos analisar, discutir e refletir sobre a função e o papel da dança enquanto processo de educação.

CONSIDERAÇOES FINAIS

Com tudo o que foi exposto no presente estudo, não há como opor-se que a dança contribui no processo ensino aprendizagem. Por meio dessa arte adquiri-se um desenvolvimento gradativo, com melhora no rendimento escolar, mudança positiva no comportamento, entre muitos outros aspectos, devido à dança ser uma atividade completa que exercita corpo, mente e alma. Por isso é necessário a introdução dessa arte nas escolas, a fim de que as crianças tenham acesso à arte e à cultura.

O aprendizado por meio de atividades como a dança, possibilita uma melhora significativa no comportamento social dos alunos, além de desenvolver os aspectos cognitivos e motor, resultando na formação de um cidadão ético, formador de suas opiniões e idéias.

Portanto, o educador deve ter uma atitude consciente na busca de uma prática pedagógica mais coerente com a realidade, como a dança, que leva o indivíduo a desenvolver sua capacidade criativa numa descoberta pessoal de suas habilidades, contribuindo de maneira decisiva para a formação de cidadãos críticos autônomos e conscientes de seus atos, visando a uma transformação social.

Espera-se que essas reflexões levem a novas idéias e discussões, sobretudo, do aprofundamento da dança, nos espaços escolares enquanto um conteúdo importante para auxiliar o desenvolvimento do processo ensino aprendizagem.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação e da pedagogia geral e Brasil. 3ª Ed. São Paulo: Moderna, 2006.

ARRUDA, Solange. Arte do movimento: as descobertas de Rudolf Laban na dança e ação humana. São Paulo: PW Gráficos; Editores Associados, 1988.

BERTONI, Íris Gomes. A dança e a evolução: O ballet e seu contexto histórico; Programação didática. São Paulo: Tans do Brasil, 1992.

BRASIL - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Educação física Brasília: MEC/ SEF, 1997.

CUNHA, M. Aprenda dançando, dance aprendendo. 2 ed. Porto Alegre:Luzatto, 1992.

FIAMONCINI, Luciana. Dança na educação: a busca de elementos na arte e na estética. Revista Pensar a prática: Revista da Pós-Graduação em Educação Física, Goiânia, v. 6, p. 59-72, jul./jun. 2002-2003.

FREINET, C.Conselho aos pais. 2ª ed. Lisboa: Estampa, 1974.

FREINET, C. Pedagogia do bom senso. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física. São Paulo: Scipione, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FUSARI, M. F. e Ferraz, M. H. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1993.

FUX, Maria. Dança, experiência de vida. 3ª Ed. São Paulo, Summus,1983.

GEHRES, Adriana de Faria. A dança popular na pré-escola e no primeiro grau menor. Córporis – Revista da Escola Superior de Educação Física da UPE, ano 1, v. 1, n. 1, jul./dez. 1996.

LABAN, R. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

LDB Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996.

LEVY, Tatiana. Trazendo a dança para a educação infantil. Monografia de Especialização. Rio de Janeiro, PUC- Rio, Departamento de Educação, 1998, mimeo.

MARQUES, I. Ensino de Dança Hoje: textos e contextos. São Paulo, Cortez, 1999.

MARQUES, I. Parâmetros Curriculares Nacionais e a Dança: Trabalhando com os Temas Transversais. Revista Ensino de Arte., no.2, ano I, 1998.

MARQUES, IA Dançando na escola. São Paulo: Cortez, 2003.

MARQUES, IA Dançando na escola. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MORANDI, C. A Dança e a Educação do cidadão sensível. In: STRAZZACAPPA, M. Entre a arte e a docência: A formação do artista da dança. Campinas: Papirus, 2006.

NANNI, Dionísia. Dança Educação – Princípios, Métodos e Técnicas. Rio de Janeiro: Editora Sprint, 1995.

NANNI, Dionísia. Dança Educação – Pré –Escola à Universidade. Rio de Janeiro: Editora Sprint, 1995.

OSSONA, Paulina. A educação pela dança. São Paulo: Summus, 1988.

PEREIRA, SRC et all. Dança na escola: desenvolvendo a emoção e o pensamento. Revista Kinesis. Porto Alegre, n. 25, 2001.

PICONEZ, S. C. B. A aprendizagem do jovem e adulto e seus desafios fundamentais. 2003. 9 f. Documento produzido para o Curso de Especialização de Educação Escolar de Jovens e Adultos - USP, São Paulo.

REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL. Formação para o ensino de dança. Curitiba, jan./abr. 2008 REVISTA KINESIS. Porto Alegre, n. 25, 2001.

REVISTA NOVA ESCOLA. Entrevista Moacir Gadotti. São Paulo (53), p. 22-25, 1991.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara. 32ª edição – Campinas, Autores Associados, 2003.

STOKOE, Patrícia & HARF, Ruth. Expressão corporal na pré-escola. São Paulo: Summus, 1987.

STRAZZACAPPA, M. A Educação e a Fábrica de Corpos: a dança na escola. Caderno Cedes, Campinas, ano XXI, n. 53, abr./ 2001.

VERDERI, EB .Dança na escola. 2 ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

VERDERI, EB .Dança na escola: uma abordagem pedagógica. São Paulo: Phorte, 2009.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente: O Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. Tradução: José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

SITES:

www.musica.ahistoria.com.br/História-da-Dança - disponível em 5 de abril de 2010 20:47:48

www.pedagogiaemfoco.pro.br – disponível em 6 de abril de 2010 22:59:31

www.nima.puc-rio.br – disponível em 19 de abril de 2010 22:03:26

www.educacaofisica.com.br/biblioteca – disponível em 23 de abril de 2010 15:47:38

www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/03n1/artigo – disponível em 25 de abril de 2010 12:51:53

Por MERIELE SANTOS ATANAZIO DA SILVA LIMA


  • sábado | 06/09/2014 | Carlos


    Olá, gostaria de saber quem é o autor (a) deste texto, e ano de publicação,obrigado.

  • segunda-feira | 08/09/2014 | Dalila Matias
    0 0

    Olá Carlos. A presente monografia foi desenvolvida pela MERIELE SANTOS ATANAZIO DA SILVA LIMA e publicada em maio de 2011. Att, Equipe Brasil Escola.



Brasil Escola nas Redes Sociais