Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

Resumo - A história da Propaganda

Propaganda, História da Propaganda, a história da propaganda, a propaganda no Brasil, histórico da Propaganda, o que é propaganda, a propaganda brasileira, nascimento da propaganda, definições de propaganda.

A história da Propaganda Brasileira surgiu em meados de 1800, quando a mídia televisão ainda não existia. No Brasil, a propaganda está no sangue. Mascates, ambulantes e tropeiros foram os primeiros vendedores, pioneiros das vendas por telefone, catálogos e Internet. Na época, ninguém era cliente, e sim freguês. Foi com Tiradentes, com seus panfletos, seus cartazes e seus santinhos, que o Brasil conhece a primeira campanha política para a Independência.

O jornal foi criado em Londres por Hipólito da Costa, em 1806. Jornal, classificados, agencia de propaganda, o trio entra em cena em 1891, com a criação da “Empresa da Publicidade e Comércio”. No inicio do século, o radio trouxe os jingles, a imaginação e o sonho para a vida brasileira. No inicio dos anos 50, época da Radio Nacional, dos programas de auditório, das disputas de Emilinha e Marlene e dos Fãs-clubes organizados, apelidadas pelos cariocas de macacas de auditório.

No Brasil, 1950 marca a chegada da televisão , que como o radio, revoluciona a vida brasileira. Os “Anos de Chumbo”, como foram chamados os 20 de ditadura, marcaram até hoje a vida do brasileiro. O grande anunciante era o governo. Deu-se também o boom das telecomunicações e da Comunicação. As rádios FM conquistam um público impressionante. A TV a cores muda mais uma vez a propaganda. Na mídia impressa, o off-set e roto gravura abrem caminho para o padrão de qualidade na propaganda.

Até o final dos anos 80, as duplas de criação que surgiram nos anos 70 passaram a trabalhar em equipe, numa espécie de agencia sem paredes, que integrou Mídia, Planejamento e Criação.

Até o ano de 1900, as propagandas no Brasil baseavam-se em temas como compra e venda de móveis e até de escravos.

Um outro habito da época era a utilização de políticos em muitas propagandas. No começo do século, surgem as revistas, com a finalidade de promover anúncios. Em 1913, nasce a primeira agencia de publicidade, Eclética. A crise de 1929 e as revoluções de 1930 e 32, não só abalaram a economia, mas também paralisaram a propaganda totalmente. “A revolução de 1932 foi a implantadora da indústria no país”.

A primeira fase da propaganda no Rádio foi marcada pelo pioneiro Sangirardi Jr., essa se destacou pelos programas de grandes dimensões, musicais, locutores, programas de auditório, rádionovelas, com grandes recordes de audiência.

Na década de 40 as atividades publicitárias foram as mais turbulentas, problemas surgiram, o decréscimo violento no movimento de anúncios. O período de 1941 a 1945, foram anos de guerra também para a propaganda, guerra das trocas comerciais. Já o período de 1945 á 1950, o país procurando corrigir as falhas no desenvolvimento econômico e social pós-guerra.

Foi a “grande atração do momento”, facilidades de pagamento, tudo para agradar os consumidores.

Nasciam em 1949 os convênios entre agencias de propaganda, juntamente com a Associação Brasileira de Propaganda (ABA) e o Conselho Nacional de Imprensa (CNI) tempos mais tarde surgia a Associação Brasileira de Agencias de Propaganda (ABAP). Em 1950 o Brasil recebe sua primeira emissora de TV, a Rede Televisão Tupi de São Paulo.

Com a chegada da TV, incia-se a discussão sobre estratégias de marketing como propaganda, promoção e pesquisa de mercado para atingir as metas de vendas dos fabricantes, foi uma virada para as agências e todo o mercado publicitário brasileiro.

Fundou-se em 1651, pela necessidade de formar profissionais da área, a primeira Escola Superior de Propaganda. Com professores escolhidos entre os profissionais mais qualificados e empenhados a orientar e visar o lado prático.

O repórter fundador do Diários Associados, da TV Tupi, a frente de O Jornal do Rio de Janeiro, dono cadeia de jornais e emissoras de Rádio, e mais tarde o homem de propaganda, Assis Chateaubriant foi o criador do primeiro departamento de propaganda de um jornal no Brasil.

No período de 1960 à 1970, as agencias norte-americanas, ditaram as normas de criação. Veio então a época mais japonesa, (copiar, diminuir, baratear), que foi muito positiva, pois resultou em uma melhoria expressiva do ponto de vista de padrão criativo. Com a inauguração de Brasília, acreditava-se muito em uma descentralização imediata e enfim na criação de um mercado nacional.

Houve uma fusão de agencias, mesmo as que já possuíam alguma certa fatia do mercado, se uniram a outras para possuírem uma maior força.

A profissão ganha a universidade, tem seu reconhecimento em nível superior, trazendo certa sofisticação.

Um entre três publicitários contribuía muito para o avanço da propaganda no Brasil. A propaganda realmente começou séria no país apenas quando se iniciou a fabricação de automóveis aqui, antes não havia produções. Era inexistente o conceito de marketing como hoje se predomina, e talvez considerada indispensável, não se realizavam pesquisas motivacionais.

A propaganda ainda tem muito a evoluir, e num certo sentido, iremos atingir uma sinceridade enorme, podendo dizer coisas como são e não deixar que os preconceitos criem uma barreira entre nós e a realidade.

Moça os primeiros carregamentos de leite condensado chegaram ao Brasil no final do século XIX, juntamente com a Nestlé. Inicialmente o leite condensado era usado em épocas de escassez de leite, porem com um reposicionamento, ele chegou as cozinhas, no preparo de doces.

Historia da marca a jovem com trajes típicos no rótulo da Leite Moça, é uma camponesa suíça do século XIX. O nome em suíço, significava Vendedora de leite – La laitière. Quando chegou ao Brasil, procurou-se um nome equivalente, chegando à Milkmaid, tradução de La laitière, mas as pessoas tinham enorme dificuldade em pronunciar o nome, e passaram a chamar o produto de “esse leite da moça”, referindo-se a ilustração da camponesa. Assim, a Nestlé optou pela solução lógica de criar uma designação criada espontaneamente pelos consumidores. Foi assim que surgiu a tão tradicional Leite Moça. E a Moça é a marca que mais investe em marketing no ramo dos leites condensados, através de comunicação, renovação e inovação, de produtos e marketing de relacionamento.

O publico alvo da Moça, é o feminino, composto na maioria por donas de casa que fazem doces e sobremesas. Com a intenção de manter a empresa no mercado como a líder, ela investe muito em marketing. Inovando e renovando seus produtos.

Ferrari a paixão que a mantém, é a mesma que permeia a historia de um dos símbolos mais famosos do mundo. Enzo Ferrari teve a capacidade de unir A MARCA com o próprio talento, especialmente para o marketing.

Em julho de 97, comprou metade das ações da Maserati do grupo Fiat, ao qual ela própria hoje pertence. Atualmente a linha de automóveis Ferrari é composta pelos modelos 550 Maranello, 456M nas versões GT e GTA, o único com quatro lugares da marca e 355F1, com cambio similar ao utilizados nos carros de F1.

Bombril Em 1948 surgiu a Abrasivos Bombril, dedicada a produção de esponjas de lã de aço. Empresa pioneira no desenvolvimento de tecnologia própria. Marca forte, tradicional logotipo vermelho, promoções, programas de radio e televisão, assim a Bombril se transformou em marca referencia no mercado. Após o megasucesso até então pioneiro, a Bombril lança sua linha de limpeza. Foram criados o detergente Limpol, desinfetante Pinho Bril e o amaciante Mon Bijou. A missão da Bombril é facilitar o dia-a-dia em milhões de lares brasileiros.

Por Marco Aurelio Moreno Silva Japiassú


  • sexta-feira | 06/06/2014 | claudia


    n sabia da historia do nome do leite condençado moça, muito lgl

  • terça-feira | 03/07/2012 | emilly


    me ajudou muito, todas as perguntas que eu pescisava estava aqui!

  • domingo | 01/07/2012 | Laura Lí...


    Muito interessante a história da NESTLÉ,foi muuito legal saber que esse delicioso leite condensado é rico em gostosura e conhecimento..muiito legal memso,agora vou comel-lo e lembrar da sua história.. (=



Brasil Escola nas Redes Sociais