Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

Psicologia aplicada na Administração

Psicologia aplicada na Administração, conceitos da psicologia aplicada na administração, definição de psicologia aplicada, aplicações da psicologia na administração, uso da psicologia na administração.

A PSICOLOGIA APLICADA NA ADMINISTRAÇÃO

A psicologia, etimologicamente, seria a "a ciência da alma"; o termo provém de duas raízes gregas: psike= alma e logos= descrição ou ciência. A psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e os processos mentais com o objetivo de entender por que as pessoas pensam, sentem e agem da maneira que o fazem.

A Psicologia concentra-se nos fenômenos relacionados com o funcionamento de indivíduos e grupos.

Na organização, a ação da Psicologia estende-se a várias áreas, atuando com indivíduos e/ou grupos, com vários objetivos. Emprega extensamente a metodologia científica, partindo da observação em profundidade dos fenômenos e valendo-se de uma série de instrumentos e técnicas.

Qualquer que seja a linha de pensamento teórico utilizada, o psicólogo considera fatores estruturais e socioculturais que afetam o indivíduo e a Organização, na escolha da forma de abordagem e avaliação das possibilidades do trabalho. Por exemplo: os requisitos de comportamento de um executivo diferem substancialmente dos de um operário de linha de montagem, um motorista ou uma telefonista.

A Psicologia, enquanto ciência do comportamento, é um instrumento à disposição do Administrador como apoio nessa busca de contínuo aumento da eficiência dos processos e da melhoria da Qualidade de Vida.

DEFINIÇÃO DA PSICOLOGIA APLICADA

A designação "Psicologia Aplicada" foi adotada pelo XI Congresso Internacional de Psciotécnica, em Paris, para substituir a palavra "Psicotécnica", de sentido controvertido.

A Psicologia Aplicada tem algumas finalidades dentre estas: Na indústria e no Comércio, é utilizada para assegurar o aumento da produção pela adaptação do homem ao trabalho e do trabalho ao homem.

APLICAÇÕES DA PSICOLOGIA NA ADMINISTRAÇÃO

Desde o início do século XX, conhecimentos da Psicologia no apoio à prática administrativa vêm recebendo crescente utilização, graças ao trabalho de muitos cientistas e profissionais, no plano individual e no coletivo.

A Psicologia, enquanto ciência, possui quatro objetivos principais:

A – Estabelecer as leis básicas da atividade psicológica:

A compreensão insuficiente de mecanismos conduz o Administrador a desgastes emocionais e custos desnecessários. Por outro lado, o crescente entendimento do funcionamento das atividades mentais vem contribuindo para eficiência e a eficácia das ações, notadamente em áreas como Marketing e Comunicação.

B – Estudar as vias de sua evolução:

A melhor compreensão dos processos que envolvem o desenvolvimento do pensamento capacita o Administrador a estabelecer planos mais factíveis e reduz riscos de implementação. Por exemplo, no ambiente organizacional, o Administrador depara-se com pessoas nos mais diferentes estágios de evolução do pensamento, contrariando a perspectiva tão popular de que todos possuem os mesmo potenciais e capacidades.

C – Descobrir os mecanismos que lhe servem de base:

A Psicologia preocupa-se com o efeito que os diferentes fenômenos provocam sobre a atividade psicológica, por exemplo, a reação do indivíduo a situações de estresse – um termo ao qual se atribuem vários significados e que se encontra virtualmente banalizado, gerando entendimentos bastante distorcidos

D – Descrever as mudanças que ocorrem na atividade psicológica nos estados patológicos:

A psicologia busca compreender as mudanças na atividade psicológica consequentemente ao estado patológico, porque a percepção que o indivíduo possui dos fenômenos liga-se à forma como a mente trata as diferentes sensações. Mudanças na atividade psicológica dos indivíduos ocasionam alterações de comportamentos, capazes de se refletir no ambiente de trabalho. Por exemplo: um indivíduo em longo conflito conjugal pode ter a produtividade reduzida pelo desenvolvimento de um quadro de estresse.

USO DA PSICOLOGIA NA ADMINISTRAÇÃO

A convergência de objetivos entre a Psicologia, enquanto ciência, e a Administração enseja instigantes possibilidades de promover ganhos de produtividade conjugados com a melhoria da qualidade de vida, por meio da aplicação de suas práticas e conceitos em várias áreas de interesse.

A – Comportamento das pessoas em diferentes situações de trabalho

  • Há trabalhos caracterizados pela constante presença de novos desafios, aos quais a pessoa submetem-se – querendo ou não – e a eles reagem de variadas maneiras. Nessas situações, busca-se vencer o medo do desconhecido;
  • Outras atividades impõem rígida rotina, segundo padrões estabelecidos e pouco sujeitos a alterações, para assegurar precisão e produtividade, não se tolerando desvios aos procedimentos fixados.

Nestes casos, a Psicologia contribui com técnicas de enriquecimento do trabalho, possibilitando às pessoas, dentro de certos limites, desenvolvendo a criatividade e/ou aumentar a capacidade de conviver com períodos de monotonia

  • Modificações radicais nas tarefas constituem motivos freqüentes de prejuízos emocionais graves, exigindo trabalhos preventivos. Por exemplo: Uma organização contava com grande número de motoristas em seus quadros. Mudanças tecnológicas levaram à gradativa redução da quantidade de veículos, ao mesmo tempo em que os novos profissionais, de qualquer área técnica, passaram a ser contratados já com essa habilitação. Com redução de suas atividades, muitas pessoas apresentaram sinais de transtornos somáticos e psicológicos, conseqüentes à instalação de fortes sentimentos de inutilidade ou perda do sentido de pertencer à Organização.

B – Efeitos das condições do trabalho sobre o desempenho

Esses efeitos incluem questões ligadas à ergonomia, de maneira geral, e outras, tais como a neutralização das conseqüências de longos deslocamentos entre o trabalho e a moradia, da presença de fumantes, de períodos de esforço concentrado etc. Por exemplo: Uma grande Organização foi forçada a manter um grupo de profissionais em local distante da sede, por motivos econômicos. Esse isolamento transformou-se em diferencial negativo.

C – Alterações em desempenho e relações interpessoais ocasionadas pela presença, no ambiente de trabalho, de profissionais com transtornos mentais:

O indivíduo com algum tipo de transtorno mental apresenta produtividade insatisfatória, afeta o desempenho dos colegas, compromete o relacionamento com os clientes e, acima de tudo, sofre e faz sofrer os que com ele convivem.

D – Aspectos psicológicos relacionados com seleção e desenvolvimento de pessoas:

A administração da porta de entrada tem importância estratégica, porque a porta de saída é estreita e dispendiosa. Esses aspectos psicológicos dizem respeito aos candidatos, cujo estado emocional pode apresentar-se alterado no momento da seleção, aos responsáveis pela seleção, capazes de influenciar inconscientemente no processo, e ao empregador – algo muitas vezes negligenciado.

E – Questões ligadas à liderança, à motivação e ao trabalho em equipe:

Os temas liderança e motivação encontram-se entre os mais estudados em Psicologia Organizacional. Trabalho em equipe, por sua vez, recebeu extraordinária injeção de ânimo com o sucesso dos Círculos de Controle de Qualidade (CCQs).

CONCLUSÃO

Neste trabalho buscou mostrar um pouco da vasta gama de possibilidades para a utilização da Psicologia voltada para a Administração, objetivando ganhos de produtividade e melhoria da qualidade de vida nas Organizações.

Os avanços em Psicologia vêm permitindo ações efetivas relacionadas a trabalhos com equipes, redução de conflitos, ajuste do profissional às condições de trabalho, seleção, adequação e desenvolvimento de pessoas etc.

BIBLIOGRAFIA

FIORELLI, José Osmir. Psicologia para administradores: integrando teoria e prática. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2004;

WEIL, Pierre. Manual de Psicologia Aplicada. 2ª ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1967.
 

Por Juliano de Paula Dias




Brasil Escola nas Redes Sociais